Difícil alguém que não conheça uma mulher que tenha TPM (“Tensão Pré Menstrual”), o período que antecede a menstruação e resulta em sintomas físicos (inchaço, dor de cabeça etc) e/ou emocionais (choro fácil, irritabilidade etc). Mais difícil ainda é saber que de fato causa a TPM. Isso porque a causa dessa Síndrome – a TPM também é chamada de Síndrome Pré Menstrual, e “síndrome” por se tratar de uma série de sintomas abrangentes, tanto físicos quanto psíquicos – ainda permanece desconhecida.

“Apesar de muitas hipóteses terem sido propostas, ainda nenhuma foi comprovada. Há consenso, no entanto, de que seja secundária à atividade cíclica dos ovários que, mensalmente, passam por um processo de recrutamento folicular e ovulação mediada por diversos hormônios produzidos pelo nosso hipotálamo, hipófise e também pelos próprios folículos ovarianos”,explica a médica Ginecologista e Obstetra Daniele Miguel, concluindo que a TPM, então, parece ser consequência de toda essa interação desses hormônios com diversas áreas do nosso corpo, inclusive, o sistema nervoso central, causando a maioria dos sintomas psíquicos como a irritabilidade.

A TPM vai embora quando a menstruação “desce”, porém não é uma regra, pois os sintomas da TPM estão ligados à taxa hormonal produzida pelo ovário – e a menstruação ocorre através do útero. “A menstruação em si não é fundamental, ela aparece também como um efeito desta modulação hormonal. Podemos exemplificar isto com as mulheres que foram submetidas à histerectomia (cirurgia de retirada do útero) em que os ovários foram preservados, por exemplo. Elas poderão continuar sofrendo com sintomas da TPM a cada ciclo, mesmo não menstruando mais”, diz Dra. Daniele.

Estudos demonstram que 20 a 40% das mulheres sofrem da TPM e que 3 a 8% apresentam sintomas intensos que interferem nas suas atividades diárias, comprometendo a qualidade de vida e causando sofrimento, o que configura o transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM)”, conta a médica. Os sintomas podem variar mês a mês e de acordo com a susceptibilidade de cada mulher. Segundo a Dra. Daniele, existem diversos fatores externos que podem influenciar os sintomas numa mesma mulher, como por exemplo o período de vida, a alimentação, o estresse, o tabagismo, o sedentarismo etc. 

O ruim da TPM é que não existe um tratamento padrão – um remedinho que melhora e pronto. Aceitável, já que a síndrome é mais complicada do que muita gente imagina, conforme a Dra. Daniele explicou por aqui. Segundo ela, o tratamento vai depender muito dos sintomas apresentados por cada paciente e do grau de interferência desses sintomas em seu dia a dia. “Como primeira linha indicamos sempre a prática de exercícios, o abandono de maus hábitos como tabagismo, melhorias na alimentação, reposição de vitaminas como a B6 e E e também a terapia cognitivo-comportamental”, sugere a especialista. Em relação a alimentação, os profissionais recomendam reduzir o consumo de sal, para diminuir a retenção hídrica e o desconforto. Chás, mate, café, energéticos e bebidas à base de cola devem ser evitados por mulheres cujo maior sintoma é a irritabilidade, pois por serem estimulantes podem agravá-la, assim como a tensão e a insônia”, diz a Dra.

Daniele Miguel, ginecologista

Para alguns casos de TPM, Dra. Daniele conta está indicada a prescrição de novas gerações de anticoncepcionais de forma cíclica (pausando a cada 21 ou 24 dias) ou contínua (sem pausa). “Nos casos mais graves, como no transtorno disfórico pré-menstrual, o médico pode prescrever medicamentos mais fortes que atuam diretamente no sistema nervoso central. Importante lembrar que não existe tratamento melhor ou pior, nem receita de bolo. Cada mulher deve ser avaliada pelo ginecologista e tratada em sua individualidade para obtenção de resultados mais satisfatórios”, frisa ela.

É isso aí mulherada! Vamos aprender a conviver com nossa TPM, ao menos durante nossa idade fértil, aceitar que somos mulheres – eu agradeço por isso hehehe – seguir as orientações que a Dra Daniele nos deu acima, que valem para todas as pessoas, tanto mulheres quanto homens, para a saúde em geral, e nos casos graves, de TDPM, buscar os tratamentos que também podem ser indicados pelo seu ginecologista de confiança 🙂 Sö não vale sofrer de TPM, porque nem a gente se aguenta! rsrsrs

Um beijo!

Comentários

comentários